Aprenda Como EMAGRECER De Vez de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...   Coloque seu E-mail para te enviar o Material que vai mudar a sua vida....

Doenças

Herpes: Tire todas as suas dúvidas. Informações Completas.

Se você tem dúvidas, está com algum sintoma e precisa de informações. Nesse artigo você vai encontrar tudo sobre Herpes. No final dele você saberá tudo que gostaria de saber, boa leitura!

estou com herpes

Introdução

A herpes é extremamente presente na população mundial, porém muitas pessoas ainda não possuem as informações necessárias sobre essa doença. Muitas pessoas possuem o vírus e não sabem pois nunca tiveram sintomas. Muitas pessoas também possuem os sintomas porém os ignoram ou buscam tratamentos incorretos. Muitos ainda escondem a doença dos seus parceiros, da sua família e até mesmo do médico e acabam sofrendo em silêncio sem buscar nenhum tipo de ajuda.

Definição

A Herpes pode ser definida como uma infecção classificada em 2 tipos: VHS-1 E VHS-2. As manifestações da infecção por VHS-1 incluem herpes simples orofacial primário e recorrente, enquanto as do VHS-2 em geral ocorrem na forma de herpes simples genital, embora casos de lesões genitais pelo VHS-1 e orais pelo VHS-2 possam ocorrer. As infecções pelo vírus da herpes simples 1 e 2 representam as doenças sexualmente transmissíveis mais comuns a nível global, 80% em adultos.

Em geral é uma enfermidade que vem e vai de acordo com o tempo e a manifestação está muito ligada a alguns fatores como:

  • Estresse excessivo, desgaste mental e físico elevado;
  • Febre alta;
  • Excesso de exposição ao sol;
  • Algum traumatismo;
  • Ciclos menstruais no caso das mulheres

Histórico no mundo

As primeiras infecções  que se tem conhecimento foram documentadas na Grécia Antiga. Os estudiosos gregos, especialmente Hipócrates costumava usar a palavra “herpes” para descrever lesões que se espalhavam. A palavra Herpes em grego originalmente significava “assustar”.

Um fato interessante da história é que o imperador romano Tibério tentou conter uma epidemia de herpes na boca proibindo beijos durante qualquer tipo de evento onde houvesse grande concentração de pessoas ou ainda em lugares públicos. Em 1893 ela foi reconhecida como uma doença transmissível de pessoa para pessoa por Jean Baptiste Emile Vidal, um dermatologista francês.

De acordo com a OMS – Organização Mundial de Saúde mais da metade da população mundial é possui o vírus da herpes labial, ainda segundo a OMS 2/3 da população do mundo todo com menos de 50 anos possui o vírus da VHS-1 em seu corpo, esse tipo de vírus é transmitido geralmente por contato através da boca e se manifesta por pequenas feridas nos lábios. Apesar dessa grande parte possuir o vírus, muitos deles não têm conhecimento pois nunca tiveram algum tipo de sintoma.

Histórico no Brasil

Existem alguns indicativos hoje que mostram que os primeiros casos de Herpes aconteceram em tribos indígenas isoladas no Brasil.

Algumas pesquisas recentes realizadas no Brasil afirmam que aproximadamente 90% da população em geral após os 40 anos possuem anticorpos contra a herpes.

Outro ponto importante é que não há conhecimento de transmissão por animais.

A incidência do vírus é consideravelmente mais alta na população feminina e jovem. As pesquisas também apontam uma maior incidência nas populações de menor grau de instrução e menor poder financeiro. Por isso uma divulgação cada vez maior das formas de prevenção é sempre importante.

Segundo pesquisa da sociedade brasileira de dermatologia, aproximadamente 85% dos brasileiros possuem o vírus do herpes, porém os sintomas se manifestam em aproximadamente metade dos infectados, ou seja, metade possui o vírus e não tem conhecimento.

Veja abaixo maiores dados sobre a incidência da herpes na população, por exemplo, entre 51-60 anos quase 85% da população possui o vírus.

Dados herpes

Responsável pela transmissão do Herpes

O Vírus da Herpes Simples ou mais comumente chamado VHS, são divididos em VHS1 e VHS2. O VHS1 E VHS2 são bastante parecidos, mas o VHS1 tem maior incidência na região da boca, já o VHS2 maior incidência na região genital. Porém VHS1 pode ocorrer na região genital e VHS2 na região da boca, porém em menor incidência.

A infecção inicial do tipo 1 geralmente ocorre na infância, pois é transmitida por contato e também através de alguma infecção que gere coceira. A porta de entrada se dá através da boca e a infecção geralmente se manifesta através da gengivo-estomatite.

A gengivo-estomatite é a manifestação clínica mais comum de infeção primária pelo vírus herpes simples, sendo quase sempre causada pelo vírus herpes simples tipo 1 (VHS-1). Na maioria dos casos atinge crianças entre os seis meses e cinco anos de idade, mas pode ocorrer em crianças mais velhas e adolescentes.

Já a infecção inicial do tipo 2 geralmente afeta a área genital e pode ser contraída mesmo que a pessoa já tenha o vírus tipo 1, complicações neurológicas são bastante raras e mais benignas que as do vírus tipo 1. Transmissões do tipo 2 geralmente ocorrem durante ato sexual, por isso as infecções geralmente não são observadas até o começo da puberdade.

Veja mais detalhes nesse vídeo do Dr. Drauzio Varella:

Ciclo Biológico da Herpes

Depois que infectado e dentro do organismo o vírus usa o material da célula do hospedeiro para se reproduzir. Neste processo, a célula é destruída a partir disso começam a aparecer alguns sinais, por exemplo as bolhas, e sintomas por exemplo as dores características do episódio de herpes. Além de entrar nas células e destruí-las no local da infecção, as partículas do vírus entram nas fibras nervosas sensoriais no local da infecção e migram para cima, onde começa a fibra, é por isso que as pessoas infectadas sentem dores.

No caso da herpes facial, o vírus se fixa em um gânglio na base do crânio. No caso da herpes genital, o vírus fica alojado numa região perto da base da coluna, situados na base da coluna. Uma vez que o vírus chega ao gânglio, fica alojado por um período indeterminado. Uma vez dentro do organismo, os vírus apresentam ciclos ou seja novas infecções recorrentes. Algumas pessoas nunca têm recorrências, outras só de vez em quando, e outras, freqüentemente. Nas recorrências, podem aparecer lesões ou apenas coceiras e dor. Em muitos casos muitas infecções e recorrências não são sequer sentidas e notadas pelos infectados.

As fases da infecção na herpes labial são:

1ª fase: Inicia-se um sensação de ardor em torno do nariz e boca.

2ª fase: Surge uma bolha na região de ardor.

3ª fase: É a fase mais dolorosa, acontece o rompimento da bolha, deixando uma região vermelha.

4ª fase: Forma-se uma casca na ferida.

5ª fase: Ocorre a cicatrização da ferida.

Já a herpes genital normalmente, fica em modo “ adormecido”, o que significa que não causará sintomas, e pode aparecer em alguns casos como questões emocionais, roupas apertadas ou outras doenças que podem fazer com que as feridas reapareçam.

herpes transmissaoModos de contaminação da Herpes

A transmissão geralmente ocorre através da relação sexual sem proteção, ou seja, sem uso de preservativos. É uma doença muito contagiosa e ocorre quando as bolhas se rompem, ocasionando uma pequena ferida e fazendo com o que líquido do seu interior vaze, e quando esse líquido entra em contato com o parceiro, pode ocasionar a transmissão.

Enquanto persistirem a pessoa que possui essas bolhas e feridas pode transmitir a doença, é importante frisar que as vezes as bolhas e feridas não são visíveis, por serem muito pequenas ou serem internas. Por isso deve-se evitar ao máximo as relações sexuais durante esse período.

Modos de prevenção da Herpes

É extremamente difícil a prevenção da infeçção da herpes simples, principalmente pois pode ser transmitido por pessoas que não sabem que estão infectadas. Evitar contato direto com uma lesão aberta reduz o risco de infecção.

Pessoas com herpes simples na região genital devem evitar contato sexual enquanto houver lesões ativas. O uso de preservativos pode também reduzir o risco de infecção. Evitar contato com pessoas consideradas grupos de risco, são elas:

Recém nascidos e pessoas com imunidade baixa.

Para minimizar o risco de infectar recém-nascidos, é recomendada a cesariana para gestantes que possuem uma infecção ativa de herpes no momento do parto. Copos, talheres ou batom não devem ser compartilhados pela pessoa infectada.

Sintomas da Herpes

Os primeiros sintomas após o contágio geralmente ocorrem em até 2 semanas, geralmente ocorre primeiro uma sensação de ardência e um certo desconforto, depois disso aparecem pequenas bolhas cheias de líquido claro ou amarelado que formam crostas quando se rompem. O próximo ciclo pode demorar semanas e até meses para reaparecer.

herpes sintomasJá no caso da herpes genital, podem ocorrer febre e ardor ao urinar. A primeira infecção geralmente é a mais dolorida e demora também mais tempo para desaparecer, porém nos próximos ciclos os sintomas são parecidos porém em menor intensidade. Já a herpes zoster pode aparecer em qualquer região do corpo.

De forma resumida os sintomas são:

Na região da boca:

– Bolhas, vermelhidão, desconforto e crostas que coçam.

Na região genital:

– Manchas, cascas, feridas, dores, irritação e coceira.

Herpes Zoster:

– Manchas, coceira e cócegas, bolhas de coloração branca ou amarela, dores e desconforto.

herpes medicoTratamento para Herpes

O tratamento da herpes é bastante específico. O tratamento geralmente utilizado no caso da herpes genital é a terapia antiviral.

Aciclovir se tornou o medicamento mais usado na terapia das infecções de Herpes. É o medicamento mais prescrito mundialmente e clinicamente efetivo.

É indicado principalmente no tratamento da herpes zoster, no tratamento e recorrência das infecções de pele e mucosas pela herpes simples, na prevenção de infecções recorrentes por herpes simples. Apresenta atividade inibitória, contra o vírus do herpes humano

Veja mais informações sobre o Aciclovir abaixo:

O Valaciclovir e o Famciclovir também são utlizados e possuem ótima eficiência.

Valaciclovir acelera a resolução da dor: estudos mostram que esse medicamento reduz a proporção de pacientes com dor associada ao herpes-zóster e a duração dessa dor. É indicado para o tratamento de infecções de pele e mucosa causadas pelo vírus herpes simples, entre elas, o herpes genital inicial e recorrente. Quando administrado no início dos sinais e sintomas de recorrência da herpes simples prevenir o desenvolvimento de lesões. É indicado também para a prevenção de infecções recorrentes por herpes simples de pele e mucosas, entre elas, a herpes genital.

Entretanto os tratamentos só são eficazes enquanto a pessoa estiver usando, ou seja, no momento em que a pessoa parar de usar, já nao será mais eficaz. Os tratamentos são eficientes para reduzir a duração dos sintomas e também na cicatrização das feridas. É também eficaz na quantidade de vezes que a herpes apresenta sintomas.

Na herpes labial também é interessante algumas medidas para minimizar os sintomas como compressa de gelo nas feridas e aplicação de alguns cremes na região afetada para também minimizar os sintomas ao máximo.

Aspectos pessoais

A herpes afeta grande parte da população mundial, é muito mais comum do que se imagina, porém muitas pessoas ainda têm vergonha e tratam a doença com muito receio. Existe um certo tabu em torno da doença. É falada de forma bastante restrita e existem muitos mitos e mal entendidos.

Exemplos:

– Uso de preservativo é 100% eficaz.

Mito. Ajuda a proteger porém não de forma totalmente eficaz

– Apenas pessoas que têm diversos parceiros sexuais têm herpes.

Mito. Grande parte da população possui a doença, afeta todo tipo de pessoa independente de sua atividade, educação e crença.

– Pode ser transmitida pelo tampo do vaso sanitário.

Mito. É muito improvável que isso acontença, o contato deve ser físico com o infectado.

– As pessoas contam que estão infectadas.

Mito. Mais de dois terços das pessoas mentem ao contar que estao infectadas.

Depoimento

Como citado anteriormente, ainda existe um grande tabu acerca do tema e muitas pessoas tratam e encaram com enorme desconforto e desconhecem as estatísticas que comprovam que o vírus da herpes está presente na grande parte da população mundial.

herpes garotaHelena tem 24 anos e nos enviou um depoimento:

“ Descobri no início do ano que havia contraído herpes genital. Quando descobri confesso que foi muito difícil. Não sabia o que fazer. Não queria contar para ninguém. Nem o médico eu procurei. Morria de vergonha que alguém soubesse e me julgasse. Achava que iriam falar mal de mim. Que eu era uma menina fácil. Que tivesse muitos parceiros, isso tudo me abalou muito….

Eu estava passando por um momento muito difícil, várias coisas tinham acontecido e uma delas era o término do meu noivado. Quando eu descobri que estava infectada o primeiro pensamento que me veio a cabeça era que ele havia me traído quando estávamos juntos. Pois sempre nos protegemos e usávamos proteção. Corri atrás na internet para ler sobre tudo, foram muitos artigos lidos e muitos comentários das pessoas, que eu também li para ter mais informações. Depois disso tudo, descobri que ou eu ou ele poderíamos ter nos infectados antes, com algum parceiro antigo e nunca havia aparecido nenhum sintoma em nós. Mas a minha pulga ainda continuava atrás da orelha, afinal ele podia também ter me traído e me passado enquanto estávamos juntos. Eu tentei não remoer isso, nosso fim estava mesmo decretado e não procurei tomar nenhum tipo de satisfação.

Mas o pior disso tudo foram as crises. Na primeira senti muita dor, ardia muito e apareceram algumas pequenas bolhas na região, que logo viraram umas feridas que me assustaram muito nos primeiros dias, depois cicatrizaram e demoraram a aparecer de novo. Depois disso aconteceram mais 2 vezes apenas, sem muita regra, sem um período de tempo igual entre elas. A única coisa que eu notei é que foi perto da minha menstruação, talvez por causa dos hormônios. Não sei ao certo. Ainda bem que essas vezes foi tudo mais leve, os sintomas foram os mesmos, porém em menor intensidade.

Tentei alguns tratamentos, com cremes e alguns medicamentos, mas sinceramente não notei muita diferença. Disso tudo eu levo algumas lições que tento pensar no dia a dia. A primeira delas é que é muito difícil confiar em alguém. Por mais que a gente tenha certeza que sim, podemos estar errados as vezes. A segunda é que prevenir é melhor que remediar sempre. A terceira é que devemos nos informar melhor. Lendo sobre a doença, vi que é super normal e presente na grande parte da população. E a última é que devemos sempre procurar ajuda quando precisarmos!”

Curiosidades sobre Herpes

  • Durante uma pesquisa feita no Reino Unido pela Universidade de Manchester, cientistas sugeriram uma ligação entre o vírus do herpes e o Mal de Alzheimer.
  • Devido a grande incidência na população mundial, a chance de você ter Herpes e não saber é bastante grande.
  • A maioria dos infectados nunca vai desenvolver qualquer sintoma.
  •  Há risco de contrair o vírus de alguém que não apresente sinais, por toques, beijos, compartilhamento de batons, escovas de dente, lâminas de barbear, toalhas ou talheres.
  • O VHS-2 pode aumentar o risco de contrair e transmitir o vírus da Aids

Dicas adicionais

Prevenção da herpes tipo 1

A principal dica porém, difícil de ser evitada, é evitar contato direto com a pessoa infectada, isso seria o mais indicado. Não compartilhar objetos que são levados a boca também é outro ponto muito importante como copos, xícaras, talheres e batons.

Para aqueles que já possuem o vírus, uma dica bastante interessante e importante é manter a boca sempre hidratada e evitar a exposição ao sol, mesmo que não exista nenhuma ferida já formada, isso é importante para evitar o aparecimento de novas feridas.

Prevenção da herpes tipo 2

Por ser considerada um DST – doença sexualmente transmissível, pode ser diminuído o risco de transmissão com o uso do preservativo em todas as relações sexuais.

Prevenção da herpes zoster

Pode ser prevenido por meio de vacina. A vacina apresenta uma eficácia de até 60% estima-se na prevenção do contágio, reduz bastante também as dores após o aparecimento dos sintomas. A vacina é considerada bastante segura e não existem relatos de efeitos colaterais considerados graves.

Prevenção geral

Em todos os casos, a dica é manter a boa saúde do sistema imunológico, por meio da prática regular de exercícios físicos, alimentação saudável e combate ao estresse.

Considerações finais

  • oral herpesHerpes pode ser definida como uma infecção classificada em 2 tipos: VHS-1 E VHS-2.
  • A infeçção inicial da herpes do tipo 1 geralmente ocorre na infância
  • Transmissões do tipo 2 geralmente ocorrem durante ato sexual
  • Aproximadamente 80% dos adultos no mundo possuem o vírus
  • Aproximadamente 85% dos brasileiros possuem o vírus
  • Fases de cada ciclo: 1. Sensação de dor, 2. Surgimento de Bolha, 3. Rompimento da bolha, 4. Forma-se ferida, 5. Cicatrização da Ferida.
  • Principais sintomas são: Desconforto, dores, irritação e coceira.
  • Melhor tratamento é a prevenção.
  • A maioria dos infectados nao possuem sintomas.
  • Os tratamentos só são eficazes enquanto a pessoa estiver usando.
  • As pessoas devem buscar o médico para ajuda e combate a doença.
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2.997 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...
Gostou deste artigo? Para ver mais artigos interessantes como este Clique Aqui!

Recomendados Para Você:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.